Carta 03/2019


IMUNIZANDO A EXPOSIÇÃO À VOLATILIDADE


Acrescentar ativos em uma carteira de investimentos não necessariamente irá garantir a diversificação esperada pelo investidor. Caso os retornos dos ativos que compõem um portfólio “andem juntos”, a sua combinação dentro de uma carteira acrescentará muito pouco para a melhoria da sua relação riscoretorno. O máximo benefício da diversificação em um portfólio só é alcançado ao serem combinados ativos que possuam baixa (idealmente negativa) correlação entre si.

Na prática, dizemos que dois ativos são descorrelacionados quando seus retornos são maiores ou menores, positivos ou negativos, em momentos distintos no tempo. Consequentemente, quanto mais descorrelacionados os ativos de uma carteira, mais diversificada ela será.

Tentaremos ilustrar nos parágrafos seguintes uma forma alternativa de verificar a (des)correlação entre fundos. Ao invés de recorrermos ao coeficiente de correlação linear, verificamos os resultados em diferentes ambientes.

O estudo foi realizado sobre os fundos multimercados que mais captaram nos últimos dois anos1. O leitor mais atento pode imaginar que esses fundos foram justamente de gestoras bastante conceituadas e, os quais tiveram desempenho destacado. A Tabela 1 apresenta o retorno médio dos fundos nos 12 meses em que a taxa de juros2 foi menos volátil e, nos 12 meses em que a taxa de juros foi mais volátil durante os últimos 2 anos3.

Conforme podemos observar, os 5 fundos apresentaram retornos positivos nos meses de menor volatilidade e retornos negativos nos meses de maior volatilidade. Já o Kadima High Vol FIM apresentou, em média, desempenho oposto.

Qual seria, então, o efeito da combinação destes ativos em um portfólio de investimentos? A teoria moderna dos portfólios prevê que ao combinar ativos descorrelacionados, conseguimos melhorar o retorno ajustado ao risco. Sob a ótica da análise apresentada na Tabela 1, seria possível inclusive “imunizar” o portfólio em relação à volatilidade da Bolsa. A Tabela 2 apresenta este estudo.

O primeiro portfólio (Carteira 5 Fundos), consiste em uma carteira teórica igualmente ponderada dos 5 fundos (sem o Kadima High Vol); o segundo, consiste em uma em uma combinação entre o primeiro portfólio e o Kadima High Vol FIM, numa proporção de 70% no primeiro e, 30% no último. Este experimento mostra que a alocação no Kadima High Vol FIM historicamente teria imunizado a carteira em relação a volatilidade do Ibovespa. Tanto nos períodos de muita volatilidade como nos de pouca volatilidade o portfólio combinado teria em média retornos positivos.

Finalmente, a Figura 1 mostra qual teria sido o efeito na volatilidade e no retorno nos últimos 2 anos caso o investidor combinasse uma carteira desses 5 fundos com o Kadima High Vol FIM. Como podemos observar, ao inserir 30% da carteira no Kadima High Vol, a volatilidade da carteira caiu de 3.75% para 2.93% e o retorno anualizado subiu de 10.33% para 12.48%.

ACOSTUME-SE COM DRAWDOWNS

Quantas vezes você já fez um investimento e, alguns dias depois, verificou que na marcação a mercado do investimento seu saldo estava menor que o inicial? Ou então, em determinado momento, verificou que se tivesse resgatado alguns dias antes, o ganho teria sido superior? Saiba que este fenômeno não é a exceção, mas sim a regra.

A estatística que mede quanto você tem a menos que no melhor momento até agora chama-se drawdown. Matematicamente, definimos o drawdown como:

onde 𝑆𝑡 é o valor do ativo 𝑆 no instante 𝑡.

Como exemplo, suponha que você efetuou a compra de uma ação por R$8,00. Logo em seguida, esta ação se valorizou até R$10,00, porém agora está valendo R$9,00. Neste caso, o drawdown atual é de 10%. Em outras palavras, se você tivesse acertado o melhor momento (até agora) pra zerar sua posição, você teria evitado perder 10%. Drawdowns são desagradáveis. Fazem você sentir que fez uma escolha ruim.

Mas é possível investir sem drawdowns?

Historicamente, os investimentos em ações estão entre as categorias mais rentáveis (não apenas no Brasil, mas sob uma ótica global). Observando o período desde 11/05/2007 até 29/03/2019 (período de existência do Kadima FIC FIM), a Tabela 3 mostra o retorno acumulado (em moedas locais) de alguns dos principais índices acionários do mundo.

Olhando apenas para a tabela acima, o investidor pode ser levado a crer que, se tivesse investido em ações em 2007, teria obtido grandes retornos sem sustos. Contudo, isso não foi o que ocorreu. Na realidade, em apenas um pequeno percentual dos dias esses índices estavam em suas máximas históricas (quase sempre o investidor está passando por um drawdown). A Tabela 4 mostra o percentual de dias nos quais cada um desses índices esteve na sua máxima histórica do período. Como pode ser observado, estar em uma máxima histórica é a exceção e não a regra.

Analisando o histórico do Kadima FIC FIM, percebe-se uma situação parecida. Note que, a fim de fazer uma comparação justa neste caso, deve-se considerar o retorno descontando-se o CDI6. O Kadima FIC FIM desde seu início rendeu 311.2%, contra 222.4% do CDI. Contudo em apenas 5.6% dos dias o fundo estava em uma máxima histórica (considerando o custo de oportunidade do CDI).

Observa-se portanto que o investidor que é mais paciente acaba sendo recompensado no longo prazo. Mesmo estando a maior parte do tempo abaixo da “linha d’água”7, o investidor pode conseguir grandes retornos no longo prazo.

Portanto, não se desespere com resultados de curto prazo, mas foque em escolher ativos e fundos que lhe darão bons retornos no longo prazo.


MULTIMERCADO


Kadima FIC FIM é um fundo multimercado multiestratégia, sendo o mais antigo gerido pela Kadima. Seu fundo Master tem como característica predominante possuir um portfólio diversificado de modelos matemáticos operando em um variado universo de ativos financeiros. No primeiro trimestre de 2019, o Kadima FIC FIM apresentou retorno de +1.60%, equivalente a 105% do CDI. Em 12 meses, o fundo apresenta resultado acumulado de +10.90%, equivalente a 172% do CDI. Desde o início (11/05/2007), o Kadima FIC FIM acumula resultado de +311.33%, equivalente a 140% do CDI deste período.

Os modelos que mais contribuíram positivamente para o resultado no ano foram os seguidores de tendências aplicados no Dólar e no Índice Bovespa Futuro. O destaque negativo foi o modelo seguidor de tendência aplicado no mercado de Juros Futuros.

Nos dois primeiros meses do ano o mercado foi marcado por uma volatilidade baixa, principalmente no mercado de cambio e de juros. Esse cenário é caracterizado por muito ruído no intraday e pouco movimento de um dia para o outro. Note que, justamente por ter regras rigorosas de stop, o modelo seguidor de tendência de curto prazo acaba tendo uma sequência de pequenas perdas nesse caso. Estas perdas são previstas em cenários como esse e, o esperado é que sejam compensadas em momentos de maior volatilidade do mercado.

Perceba ainda que, o primeiro trimestre desse ano foi uma janela de tempo ilustrativa da situação descrita na primeira parte desta carta. Nos meses de volatilidade baixa (janeiro e fevereiro), nossos fundos tiveram performance inferior aos pares. Já em março, com a volatilidade alta, o desempenho da Kadima foi superior.

Assim, a exemplo do descrito no início desta carta, uma hipotética combinação do nosso fundo com outros multimercados disponíveis poderia, de maneira geral ter melhorado o perfil de retorno ajustado ao risco (comparado a eles isoladamente).

Observando as perspectivas, continuamos acreditando que teremos outros meses com volatilidade ao longo do ano. Nossos modelos seguem preparados para capturar ganhos neste ambiente.


O Kadima High Vol FIM é um fundo de gestão predominantemente sistemática, podendo também se valer de operações discricionárias, quando pertinente. Seu portfólio é composto majoritariamente por parte de modelos também presentes no fundo Kadima Master FIM, porém com uma maior alavancagem. No primeiro trimestre de 2019, o Kadima High Vol FIM apresentou retorno de +1.76%, equivalente a 116% do CDI. Em 12 meses, o fundo acumula retorno de +15.04%, equivalente a 237% do CDI. Desde o início (23/03/2012), o Kadima High Vol FIM acumula resultado de +220.42%, equivalente a 233% do CDI deste período.

Os comentários referentes a este fundo são análogos (na proporção de sua alocação de risco) aos do Kadima FIC FIM, descritos acima.


PREVIDÊNCIA


O Icatu Kadima FIE Previdência FIC FIM CP8 é um fundo de previdência multimercado que se destina a acolher recursos referentes aos planos PGBL e VGBL oriundos da Icatu Seguros, tendo como objetivo superar o CDI no longo prazo. Esse fundo aplica seus recursos no Icatu Kadima FIFE Previdência FIM CP. Este por sua vez, vale-se de uma gestão ativa quantitativa, com um portfólio diversificado de modelos matemático-estatísticos semelhante ao do Kadima Master FIM, porém, com algumas restrições e adaptações a fim de se respeitar o enquadramento exigido pela legislação vigente. Este fundo também pode realizar, de maneira oportunista, alocações e operações discricionárias em adição à gestão sistemática.

Em 12 meses, o fundo apresentou retorno de +6.12% equivalente a 96% do CDI. Desde o início (24/07/2013), o Icatu Kadima FIE Previdência FIC FIM CP acumula resultado de +89.74%, equivalente a 117% do CDI deste período.

Os comentários referentes a este fundo são análogos (na proporção de sua alocação de risco, a qual respeita as restrições da legislação de previdência) aos do Kadima FIC FIM, já descritos.


AÇÕES


O Kadima Equities FIC FIA é um fundo de ações cujo fundo Master tem como característica principal ser um conjunto de estratégias quantitativas que atuam precipuamente no mercado de ações, levando-se em consideração o objetivo de gerar uma exposição comprada. No primeiro trimestre de 2019, o Kadima Equities FIC FIA apresentou retorno de +10.07%, enquanto o Ibovespa rendeu +8.56%. Desde o início (17/12/2010), o Kadima Equities FIC FIA apresentou retorno acumulado de 48.75%, frente a 40.35% do Ibovespa para o mesmo período.

Detalhando um pouco melhor os resultados do primeiro trimestre, +7,28% foi puramente por conta da alta da bolsa (beta puro)9 e +2,60% foi de alfa gerado. Deste alfa, tanto o modelo seguidor de tendência de índice como o modelo de seleção de ações contribuíram positivamente. As ações que mais adicionaram valor ao portfólio foram CSNA3, ELET3, EGIE3, IRB3 e ALUP11. Os maiores detratores de performance foram as posições em BTOW3, MILS3, MGLU3, LPSB3 e TGMA3.

Ilustrando um pouco a pulverização do fundo, ao longo do trimestre o fundo teve (ou tem) posições em 136 ações diferentes. No fechamento de março as 10 maiores posições do fundo correspondiam a apenas 21% de exposição no fundo (o mesmo tinha posição em 120 papeis diferentes). Acreditamos que essa diversificação reduz a exposição a riscos idiossincráticos e tornam o produto ainda mais interessante para investidores que desejem ter uma exposição sistemática à bolsa brasileira.


LONG SHORT


O Kadima Long Short Plus FIA é um fundo de ações com benchmark CDI, que tem como característica principal ser um conjunto de estratégias quantitativas. Adicionalmente ao modelo long-short predominante nesse fundo, ele também possui outros modelos aplicados em diversos mercados futuros. Como o fundo ainda possui menos de 6 meses, a legislação não permite divulgar a rentabilidade do mesmo.



* O histórico completo de rentabilidades mensais de todos os fundos geridos pela Kadima podem ser consultados em nosso site

Kadima FIC FIM: Início do Fundo: 11/05/2007. PL Médio em 12 meses: R$ 14,613,412. Taxa de administração: 2%a.a. (máx. de 2.5%a.a.). Taxa de Performance: 20%do que exceder o CDI. Público Alvo: Investidor em Geral. Cota de Aplicação: D+0. Cota de Resgate: D+0. Liquidação de Resgates: D+1.
Até o dia 6-dez-2013 a taxa de performance era de 25%.

Kadima II FICFIM: Início do Fundo: 30/04/2008. PL Médio em 12 meses: R$ 547,594,242. Taxa de administração: 2%a.a. (máx. de 2.5%a.a.). Taxa de Performance: 20%do que exceder o CDI. Público Alvo: Investidor em Geral. Cota de Aplicação: D+0. Cota de Resgate sem Taxa de Saída: D+10. Cota de Resgate com Taxa de Saída: D+3. Liquidação de Resgates: D+1 da Cotização.
Até o dia 6-dez-2013 a taxa de performance era de 25%

Icatu Kadima FIEPrevidência FICFIM CP: Início do Fundo: 24/07/2013. PLMédio em 12 meses: R$ 85,328,632. Taxa de administração: 2%a.a. (máx. de 2%a.a.). Taxa de Performance: 20% do que exceder o CDI. Público Alvo: Aplicações de recursos através de Planos PGBL e VGBL instituídos pela ICATU SEGUROS S/A

KADIMA LT FIM: Início do Fundo: 02/01/2019. PL Médio em 12 meses: R$ 0. Taxa de administração: 2%a.a. (máx. de 2%a.a.). Público Alvo: Investidor em Geral. Cota de Aplicação: D+0. Cota de Resgate: D+10. Liquidação de Resgates: D+1 da Cotização.

KADIMA Long Bias FIM: Início do Fundo: 26/08/2019. PL Médio em 12 meses: R$ 0. Taxa de administração: 1.75%a.a. (máx. de 1.75%a.a.). Taxa de Performance: 20%do que exceder o CDI. Público Alvo: Investidor em Geral. Cota de Aplicação: D+0. Cota de Resgate: D+10. Liquidação de Resgates: D+1 da Cotização. Fundo com menos de 12 meses de histórico.

Kadima EquitiesFICFIA: Início do Fundo: 17/12/2010. PLMédio em 12 meses: R$ 20,739,779. Taxa de administração: 1.35%a.a. (máx. de 1.35%a.a.). Taxa de Performance: 20%do que exceder o IBOVESPA. Público Alvo: Investidor em Geral. Cota de Aplicação: D+0. Cota de Resgate: D+1. Liquidação de Resgates: D+2 da cotização.


NOTAS


1 – Para tal estudo, fizemos um screening no Economática usando os seguintes critérios: Classificação CVM = Multimercado ; Classificação Anbima = Multimercado Dinâmico, Investimento no Exterior, Juros e Moedas, L/S Direcional, L/S Neutro, Livre, Macro ou Trading ; Quantidade de Cotistas Mais Recente Maior que 100 ; Data do Início da Série Menor que 01/04/2017 ; Taxa adm Max Maior que 1%. Em seguida, analisando a carteira retiramos os FoFs e, no caso de mais de 1 feeder do mesmo fundo, consideramos apenas 1 deles. Foram considerados os 5 fundos com maior captação líquida nos últimos 2 anos, de acordo com estes critérios.

2 – Considerando a taxa de juros futura de 2 anos, divulgada pela BMF através de interpolação dos contratos de DI Futuro

3 – Esse cálculo foi feito considerando-se a volatilidade do Ibovespa calculada a cada mês e anualizada, nos últimos 2 anos.

4 – Em moeda local, considerando os índices de retorno total, nos casos dos índices que não consideram automaticamente o reinvestimento dos dividendos e proventos (SP500, Nikkei 225 e FTSE 100).

5 – Em moeda local, considerando os índices de retorno total, nos casos dos índices que não consideram automaticamente o reinvestimento dos dividendos e proventos (SP500, Nikkei 225 e FTSE 100).

6 – Uma vez que o fundo tem como benchmark CDI, a conta do drawdown deve levar em conta o que o investidor estaria ganhando se tivesse investido a 100% do CDI. Nesse caso, a série utilizada foi

onde 𝐶𝑡 é a cota do Kadima FIC FIM na data t, e 𝐶𝐷𝐼𝑡 é um número-índice do CDI Cetip.

7 – Expressão utilizada para referir-se ao maior valor histórico de um investimento até o momento, que é usado como referência para a comparação.

8 – O Icatu Seg Kadima FIM CP Previdencia foi transformado em Icatu Kadima FIE Previdencia FIC FIM CP em 28/09/2018. As rentabilidades e estatísticas divulgadas do Icatu Kadima FIE Previdencia FIC FIM CP incluem o período desde sua criação como Icatu Seg Kadima FIM CP Previdencia em 24/07/2013, uma vez que não houve mudança na política de investimento, senão pelo fato de que esta passou a ser executada através do ICATU KADIMA FIFE PREV FIM, fundo no qual o Icatu Kadima FIE Previdencia FIC FIM CP está obrigado a aplicar no mínimo 95% do seu PL.

9 – Conforme mostramos na nossa carta de setembro de 2017, consideramos que o beta do Kadima Equities FIC FIA é de aproximadamente 0.85 no longo prazo.


Esta carta é uma publicação cujo propósito é divulgar informações e dar transparência à gestão executada pela Kadima Asset Management. As informações contidas neste material são de caráter exclusivamente informativo, não devem ser consideradas uma oferta para aquisição de cotas de fundos de investimento e não constitui prospecto previsto na instrução CVM 555 ou no Código de Auto-Regulação da ANBIMA. Este Material Técnico contém resultados baseados em simulações históricas e os resultados reais poderiam ser significativamente diferentes. O investimento em Fundo não é garantido pelo Fundo Garantidor de Crédito”. Rentabilidade passada não representa garantia de rentabilidade futura. A rentabilidade divulgada não é líquida de impostos e de eventual taxa de saída. Para avaliação de um fundo de investimento, é recomendável a análise de, no mínimo, 12 (doze) meses. Leia o formulário de informações complementares, a lâmina de informações essenciais, se houver, e o regulamento antes de investir. Os termos “Master” e “Feeder” são comumente utilizados no meio financeiro para designar veículos de investimento que fazem parte de uma estrutura na qual vários fundos de cotas possam compartilhar de uma mesma estratégia. Os fundos de cotas são chamados “Feeders”, pois aplicam recursos financeiros no fundo receptor, este chamado fundo “Master”, no qual a estratégia é implementada. Administrador/ Distribuidor: BNY Mellon Serviços Financeiros DTVM S.A., CNPJ: 02.201.501/0001-61, situada à Av. Presidente Wilson, 231, 11o andar, Rio de Janeiro, RJ, CEP 20030-905. Telefone: (21) 3219-2998 Fax (21) 3974-4501 www.bnymellon.com.br/sf – SAC: sac@bnymellon.com.br ou (21) 3974-4600, (11) 3050- 8010, 0800 725 3219 – Ouvidoria: ouvidoria@bnymellon.com.br ou 0800 7253219.